Zagueiro Renan paga R$ 1,8 milhão em acordo com MP e ação por acidente fatal é encerrada

Anderson Souza

O zagueiro Renan Victor e o Ministério Público celebraram acordo para o encerramento da ação sobre o acidente automobilístico causado pelo jogador em julho de 2022, na Rodovia Alkindar Monteiro Junqueira, no bairro Quinta da Baronesa, em Bragança Paulista, que deixou Eliezer Pena, de 38 anos, morto. O jogador pagou R$ 1.757.144,00 à Santa Casa da cidade em que ocorreu o acidente.

Siga nosso Instagram @blogdoandersonsouza

PUBLICIDADE

O valor destinado à Santa Casa será revertido na compra de 20 leitos de hemodiálise para atendimento via Sistema Único de Saúde (SUS), que deve beneficiar entre 120 e 200 pacientes por mês. Segundo apurou o Estadão, o valor foi depositado nesta segunda-feira.

O acordo de não persecução penal, ao qual a reportagem teve acesso, aponta que Renan é réu primário, confessou os fatos descritos na ação e firmou acordo com a família da vítima para indenização das filhas de Eliezer, cumprindo com a reparação de danos. Também é destacado que a viúva de Eliezer está ciente e concordou com o acordo.

Renan teve seu vínculo de empréstimo com o Red Bull Bragantino encerrado dias após o acidente. O atleta, que pertencia ao Palmeiras, também teve o contrato com o clube alviverde encerrado por justa causa. No mês de abril, o portal Nosso Palestra noticiou que o zagueiro contesta na Justiça o fim do vínculo nesses termos e cobra indenização de cerca de R$ 4,6 milhões.

Em agosto de 2022, pouco mais de um mês após o acidente, Renan foi liberado pela Justiça para deixar o País e atuar no futebol dos Emirados Árabes Unidos. Desde então, ele veste a camisa do Shabab Al-Ahli, atual vice-líder do campeonato local.

RELEDMBRE O CASO

O acidente envolvendo o jogador, que tinha 20 anos à época, ocorreu na manhã do dia 22 de julho. O carro dele, um Honda Civic, invadiu a faixa contrária e colidiu de frente com a motocicleta CG 160 conduzida por Eliezer, que morreu no local. A vítima, que morava em Bragança Paulista e estava a caminho do trabalho em Itatiba, deixou a mulher e duas filhas.

Renan foi autuado em flagrante e se recusou a fazer o teste de bafômetro. De acordo com o 2º sargento Anderson Rodolfo, da Polícia Rodovia Estadual, ele exalava “hálito com odor etílico”. Uma garrafa de bebida alcoólica também foi encontrada perto do carro e a perícia vai verificar se há nelas digitais do defensor. O caso foi registrado no Plantão da Delegacia Seccional de Bragança Paulista e é investigado pelo 1º DP da cidade.

Horas depois do acidente, o jogador foi encaminhado à delegacia. Lá, permaneceu calado e novamente se recusou a passar pelo teste do bafômetro. No dia seguinte, o atleta passou por audiência de custódia no fórum de Bragança Paulista e foi solto mediante o pagamento de 200 salários mínimos, o equivalente a cerca de R$ 242 mil, que foram, posteriormente, revertidos em favor da família da vítima.

PUBLICIDADE
Compartilhe esta notícia
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.