Muitas vezes quem dá o ritmo do ajuste fiscal é o Congresso, afirma Haddad

Anderson Souza

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta quarta-feira, 22, que, apesar do desejo da área econômica em fazer ajustes fiscais necessários nas contas públicas o mais rápido possível, cabe ao Congresso Nacional verificar o ritmo da aprovação das propostas. “O Congresso que dá ritmo, não o Executivo”, disse o ministro, durante audiência na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados para discutir a política econômica do País.

Siga nosso Instagram @blogdoandersonsouza

PUBLICIDADE

Haddad reforçou que as propostas da área econômica vão ensejar debate na Câmara e aperfeiçoamentos durante o processo de tramitação.

 

O ministro disse acreditar que o governo está indo “bastante bem” no que diz respeito à agenda fiscal.

PUBLICIDADE

Ele voltou a citar o passivo fiscal existia na passagem da gestão do ex-presidente da República Jair Bolsonaro para o atual governo, que, segundo ele, precisou ser enfrentado.

O caminho escolhido, reforçou, foi cortar gastos tributários que não se justificavam do ponto de vista social.

Ele reconheceu o trabalho de parceria feito entre Fazenda e Congresso, já que a equipe econômica enviou demandas consideradas “delicadas” à sociedade, ao citar nominalmente a proposta que previa o fim do Perse.

Leia Também: Conab suspende leilão para compra de 104 mil toneladas de arroz polido

Compartilhe esta notícia
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.