Dois dias depois, Pequim reage à ‘traição’ de novo líder em Taiwan

Anderson Souza

 (FOLHAPRESS) – Passados dois dias da posse de Lai Ching-te em Taiwan, imprensa e mídia social na China responderam agressivamente a seu discurso, com destaque para o chanceler Wang Yi, que o descreveu “a maior ameaça à paz no estreito” que separa a ilha do continente.

Siga nosso Instagram @blogdoandersonsouza

PUBLICIDADE

O Renmin Ribao ou Diário do Povo, principal jornal do Partido Comunista da China, dedicou página inteira a críticas a Lai. E a rede social Weibo, que havia derrubado hashtags sobre a ilha desde segunda-feira, atravessou manhã e tarde de quarta tendo como tópico mais popular “Taiwan nunca foi um país e nunca será um país”.

Wang citou Lai pelo nome, dizendo que ele “traiu a nação e seus antepassados” com movimentos “desprezíveis”. No Weibo, entre as mensagens de mais repercussão, um usuário escreveu que “agora só temos que aguardar uma oportunidade”. E um dos principais comentaristas chineses de assuntos militares, Song Zhongping, avaliou que o discurso eleva o risco de guerra.

Também com dois dias de atraso, jornais ocidentais como Financial Times destacaram que Pequim “tem razão sobre o novo líder”, que se afastou da moderação da antecessora, Tsai Ing-wen, ao enfatizar a soberania da ilha no discurso, questionado publicamente por aliados da própria Tsai.

A oposição taiwanesa, mais próxima de Pequim, respondeu com palavras e ação no Legislativo. Eric Chu, presidente do Kuomintang (KMT), também afirmou que “a defesa de uma estrutura de dois países [em vez de uma só China] contradiz a abordagem anterior de Tsai, com base na Constituição da República da China”, nome oficial da ilha.

Chu disse temer “aumento da tensão no estreito”. Na mesma linha, um porta-voz de Ma Ying-jeou, último líder taiwanês ligado ao KMT, que governou até 2016, declarou que o discurso “leva a uma situação de perigo sem precedentes entre os dois lados do estreito”.

O KMT, que preside o Legislativo e tem a maioria, ao lado do Partido do Povo de Taiwan (PPT), fez na terça-feira a segunda leitura de uma reforma parlamentar que amplia os poderes de fiscalização sobre o Executivo. Lai, com um pronunciamento anual, e ministros passariam a prestar contas regularmente ao Legislativo, inclusive comissões de inquérito.

Foi a reforma que levou às cenas de violência de sexta passada, quando parlamentares do Partido Democrático Progressista (PDP), de Lai, buscaram interromper a primeira leitura, sem sucesso. Na terça, uma manifestação de milhares de partidários diante do Legislativo não impediu o avanço dos projetos.

A terceira leitura está marcada para a próxima sexta, quando se projeta que ela seja aprovada. Mas a expectativa agora é de invasão do Parlamento.

PUBLICIDADE

Cenas de violência são relativamente comuns no plenário taiwanês, há décadas, mas em 2016 os protestos de rua, contra um acordo comercial entre a ilha e o continente, levaram à invasão por manifestantes. Eles ocuparam o local por dias e conseguiram barrar os planos do então presidente Ma.

Leia Também: Vídeo mostra violência do tornado que devastou cidade nos Estados Unidos

Compartilhe esta notícia
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.